Direcção Regional de Educação do Norte

   Coordenação Educativa de Douro Sul

         

Agrupamento Vertical de Escolas da Sé

Escola ES / 2,3 da Sé – Lamego

Cód. 152948 œ 402898

           

 

 

 

 

 

CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

  

1º Ciclo do Ensino Básico

 Ano Lectivo 2007/2008

 

 

 

Processo de Avaliação

A avaliação dos alunos, enquanto parte integrante do processo de ensino/aprendizagem, reger-se-á pelo disposto no Decreto-Lei nº6/2001, Despacho Normativo nº1/2005 e pelo Despacho Normativo nº50/2005. Ela constitui um instrumento regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das aquisições realizadas pelo aluno ao longo do 1º ciclo.

Estes documentos legais, apoiando o processo educativo, visam garantir o sucesso de todos os alunos, tendo em conta o percurso académico de cada um, assumindo deste modo um papel relevante no processo de retenção/progressão do educando, e permitindo o reajustamento dos projectos curriculares de escola e de turma, essencialmente quanto à selecção de metodologias e recursos, em função das necessidades educativas dos alunos.

No processo de avaliação do aluno devem ser respeitadas as competências essenciais e transversais definidas para cada ano de escolaridade, tendo sempre em vista o perfil desejável do aluno no final do 1º ciclo.

Deverá ser considerada uma avaliação adequadamente diversificada, incidindo sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ano de escolaridade.

A avaliação das aprendizagens e competências deverá assentar:

► Na consistência entre os processos de avaliação e as aprendizagens e competências pretendidas, de acordo com os contextos em que ocorrem;

► Na utilização de instrumentos e técnicas diversificadas;

► Na primazia da avaliação formativa;

► Na valorização da evolução do aluno;

► Na transparência e rigor do processo de avaliação;

► Na diversificação dos intervenientes no processo de avaliação

Serão intervenientes no processo de avaliação:

- O professor

- O aluno

- O Conselho de Docentes

- Os órgãos de gestão do Agrupamento

- O encarregado de educação

- Os serviços especializados de apoio educativo

- A administração educativa

Será realizada uma avaliação diagnóstica, no início do ano lectivo, a qual deverá ser articulada com estratégias de facilitação da integração escolar e de apoio à orientação escolar. Esta conduzirá à adopção de estratégias de diferenciação pedagógica, contribuindo para elaborar, adequar e reformular o projecto curricular de turma.

A avaliação formativa, principal modalidade de avaliação no 1º ciclo, terá um carácter contínuo e sistemático, sendo desenvolvida ao longo do ano lectivo, através do recurso a grelhas de auto-avaliação, trabalhos realizados pelos alunos, individual ou colectivamente, e ainda através de fichas de avaliação. Ela fornece a todos os intervenientes informação das aprendizagens e competências, de modo a permitir rever e melhorar os processos de trabalho.

A avaliação sumativa realizar-se-á no final de cada período lectivo, com utilização de toda a informação recolhida no âmbito da avaliação formativa, consistindo na formulação de um juízo globalizante sobre o desenvolvimento das aprendizagens do aluno e das competências definidas para cada disciplina e área curricular.

 

Instrumentos de Avaliação

Tendo por base a troca de saberes e experiências nas reuniões de Conselho de Docentes, os instrumentos de avaliação contemplarão diferentes documentos elaborados pelos professores titulares de turma, para a recolha de informações necessárias ao processo de avaliação dos alunos.

Deste modo, contemplar-se-ão:

► Fichas de avaliação formativa e sumativa

► Grelhas de auto-avaliação

► Grelhas de hetero-avaliação

► Grelhas de registo de trabalho diário ou temático

► Grelhas de observação e registo

 

Elementos de Avaliação

Serão tidos em consideração os elementos de avaliação a seguir enumerados, essenciais para o desenvolvimento do processo de avaliação contínua dos alunos:

► Assiduidade e Pontualidade

► Empenho e Interesse

► Autonomia

► Participação de forma ordenada e organizada em todos os espaços pedagógicos

► Capacidade de análise e avaliação crítica do seu trabalho e o dos colegas

► Organização do trabalho diário

► Atitudes de respeito, cooperação e espírito de entre-ajuda

► Compreensão e aplicação dos conhecimentos adquiridos

 

Códigos de Apreciação

Os critérios de avaliação serão expressos através de um código de apreciação, de forma a possibilitar uma leitura global, clara e compreensiva dos vários níveis de desempenho:

 

 

Competências

Capacidades

Atitudes

Não Satisfaz

(0% a 49%)

Não adquiriu as aprendizagens definidas

Revela grandes falhas ao nível da compreensão, aplicação, análise e autonomia

Manifesta desinteresse e empenhamento pela aprendizagem.

Não interiorizou atitudes e valores fundamentais a uma correcta socialização.

Satisfaz

(50% a 69%)

Revela ainda falhas na aquisição das aprendizagens elementares a nível de conceitos e factos

Revela algumas falhas e/ou incorrecções na compreensão, aplicação, análise e autonomia

Manifesta sentido de responsabilidade, interesse e empenhamento.

Apresenta um comportamento regular.

Satisfaz Bem

(70% a 89%)

Adquiriu com facilidade as aprendizagens elementares a nível de conceitos e factos

Não revela dificuldades a nível de compreensão, aplicação, síntese e autonomia

Manifesta grande interesse/empenhamento na vida escolar assim como uma socialização adequada

Excelente

(90% a 100%)

Desenvolveu com facilidade os conhecimentos adquiridos

Compreende e aplica com facilidade e originalidade os conhecimentos a novas situações.

Não revela dificuldades a nível de análise, síntese e autonomia

Revela muito interesse e empenho demonstrando, sempre, uma correcta socialização, espírito crítico  e de iniciativa

 

 

Situações Especiais

 

Para os alunos com necessidades educativas especiais (NEE), serão elaborados planos individuais com a colaboração dos docentes do ensino especial, os quais definem as formas e os momentos de avaliação. Relativamente às possíveis retenções no 2º, 3º e 4º anos será contemplado o disposto no Despacho Normativo nº50/2005